Bolívia

Democracia e golpe

Para Evo Morales, a democracia foi um simples instrumento de conquista e conservação do poder. Ao renunciar, seu objetivo era produzir o caos, almejando um outro golpe para voltar ao poder

Artigo - 25 Nov 2019 - Denis Lerrer Rosenfield

Para visualizar o artigo clique aqui

 

Não foi golpe!

O mundo livre e civilizado aplaudiu a saída de Morales do poder, entretanto me pareceu injusto com o povo boliviano que esse criminoso saísse do país impune.

Jornal Inconfidência nº 270 - 20 nov 2019 - Pág. 11 - Graça Salgueiro

Clique aqui para visualizar o arquivo on-line

 

Sob pressão do comando do Exército, Evo renuncia após 13 anos no poder

As manifestações populares, caracterizadas por protestos violentos, começaram depois que Evo foi declarado vencedor de uma eleição com denúncia de irregularidades

ESTADO DE SÃO PAULO - 11 Nov 2019 - Pág. A10

Para  visualizar clique Aqui

 

Justiça da Bolívia libera Evo Morales para concorrer a quarto mandato

A decisão do Tribunal Constitucional da Bolívia, que autorizou o Presidente Evo Morales a disputar um quarto mandato, atropela a Constituição

Folha Digital - 29 Nov 2017 - Internet

Para  visualizar clique Aqui

 

A derrota de Evo

A derrota de Evo Morales no referendo, é boa para a Bolívia e a cultura da liberdade

ESTADO DE SÃO PAULO - 06 Mar 2016 - Pág. A15 - Estado de São Paulo

Para  visualizar clique Aqui

 

Coronel boliviano denuncia conluio de militares bolivianos e venezuelanos na exportação de coca

Todo fim de semana Ivo Morales, Presidente da Bolivia, vai ao município de Chaparé e pessoalmente negocia e exporta a droga

Jornal Inconfidência nº 214 - Mai 2015 - Pág. 11 - Graça Salgueiro

 

Falsa democracia

Se eleito em 2014, Morales governará até 2020, totalizando 15 anos de governo
ESTADO DE SÃO PAULO - 04 Maio 2013 - ESTADO DE SÃO PAULO
 

A Farsa da Nação Indígena

Muitos índios começam a perceber o engodo da ideologia de Morales, que mistura nostalgia inca com marxismo.
Revista VEJA – 12/05/2010 – Págs. 134 a 138 - Revista VEJA